segunda-feira, 25 de maio de 2015

Escritora Clotilde Tavares visita a Escola "Xixica"

           “Escrevo por prazer ou por fissura. Nunca pra fazer literatura.”, disse a escritora Clotilde Tavares.

          Diante dos alunos da Escola Municipal Francisca Fernandes, conhecida carinhosamente como “Xixica”, durante a Segunda Edição do "Escritor Vem à Escola", podia-se perceber o amor à arte de escrever.  Em bate-papo com alunos e professores, a escritora e também dramaturga, falou sobre seus livros preferidos, seu processo de criação, dentre outros assuntos ligados ao mundo do livros. 



          Desde o 5º ano, que leu a obra de sua autoria "A Noiva do Sol", às demais séries da escola, todos leram seus livros e conheceram a sua biografia.  De fato, estavam e eram próximos daquela que escreve por prazer.  Ao fim do evento, uma proximidade ainda maior se instalou: a escritora foi até a Biblioteca da escola e fotografou com os mediadores mirins da escola.


          Tomara que este prazer, descrito por Clotilde Tavares, também seja experimentado por cada menino e menina do Bairro de Monte Castelo enquanto leitor.  

sexta-feira, 22 de maio de 2015

A Biblioteca do Manoel vai à Praça

          A falta de bibliotecas é, segundo as estatísticas, um agravante para os baixos índices ligados à leitura dos brasileiros. E, ainda com a presença desse equipamento cultural, é pequena a participação e a presença dos leitores.

          A Biblioteca da Escola Municipal Manoel Machado, ativa e viva como deve ser, e desejando integra-se aos moradores do bairro de Jardim Aeroporto, não se conteve dentro das suas paredes e foi à Praça Aluísio Alves através da ação “A Biblioteca do Manoel vai à Praça”, neste último dia 21 de maio de 2015.  

         O espaço montado, durante todo o dia, foi visitado por outras instituições escolares do bairro como o Centro Infantil Romana Santiago e a Escola Rubens lemos, e tem, também, a pretensão de derrubar o mito de livros guardados, preservados e imaculados.  As mediadoras de leitura Maria Itamar e Luciana Bulhões, executaram um trabalho árduo, porém digno de ser copiado.  Parabéns a Escola!

Fotos: Karina Amaral
Fotos: Karina Amaral


quarta-feira, 20 de maio de 2015

Bibliotecário Lino Sapo lançará seu livro durante o Cultura SESC

  Fonte: www.uepb.edu.br, acessado em 20 de maio de 2015.

        
          A convite do projeto “Parnamirim: um rio que flui para o mar da leitura”, o poeta e bibliotecário Andrelino da Silva, do Câmpus VIII da Universidade Estadual da Paraíba, localizado em Araruna, vai lançar no próximo dia 27 de maio o livro “Conhecendo os nomes das cidades do Rio Grande do Norte em um conto”.

          O lançamento oficial acontece na Escola Municipal Maria Francinete, em Parnamirim (RN), e contará com a participação de aproximadamente 80 professores da rede municipal que atuam como mediadores de leitura nas bibliotecas escolares do município. O livro tem uma forma inovadora na abordagem e apresenta os nomes das 167 cidades que compõe o Estado potiguar, escrito com recursos linguísticos que valorizam a linguagem regional.

      
         O conto traz também um estudo quantitativo sobre as classes as quais os nomes pertencem, como por exemplo nomes em homenagem a pessoas, santos, recursos naturais e os que derivam da língua indígena, além de apresentar os nomes atuais e os anteriores que as cidades já tiveram.

          O projeto “Parnamirim: um rio que flui para o mar da leitura”, em parceria com a Biblioteca Municipal Rômulo Wanderley, congrega todas as escolas do município e garante a política de formação de leitores, bem como oficializa a função dos profissionais mediadores. 

terça-feira, 19 de maio de 2015

Com as armas da poesia

          Um país que tenta exterminar o narcotráfico e a violência com a arma da poesia. Uma rede de bibliotecas-parque assim chamadas porque não somente ofertam o serviço tradicional deste equipamento, mas também se oferecem como um lugar de convivência, lazer e formação. 

          Esse foi o tema da apresentação da mediadora de leitura e articuladora do projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” nos CMEIs, a Profª Simone Leite Peixoto, para as professoras do Centro Infantil Djanira da Mota, neste último dia 15 de maio de 2015:  a Colômbia e suas bibliotecas.

          A professora participou do intercâmbio no país entre os dias 23 de abril e 3 de maio. A viagem foi parte da premiação da 3ª Edição do Concurso Escola de Leitores, do programa Prazer em Ler, do Instituto C&A, parceiro nosso.

         Os professores da escola viajaram também para Bogotá e Medellín, através de fotos, sorteios de livros colombianos, poemas de Yolanda Reyes - escritora colombiana- e relatos mil, todos puderam perceber que, através de uma convergência de esforços, é possível replicar a experiência para nosso país.  Em rede social, a coordenadora do CMEI, Risalva Brandão, que recebe o projeto, diz: "Senti-me na Colômbia por uma tarde". 

          Ao fim da partilha, um café colombiano foi servido para que o sonho possa ser, ainda mais, reaceso em cada um dos brasileiros que anseiam pela transformação de nosso país.






        

domingo, 17 de maio de 2015

Em sarau, crianças do Edmo Pinheiro honram as mães funcionárias da escola

          Não traduziram em palavras o maior amor deste mundo. Tampouco os livros – a despeito de sua força – não captaram o afeto envolvido no ser ‘Mãe’.  

          Apesar disso, muitas tentativas são realizadas.  Os poetas se esforçam para traduzir o sentimento.  Mário Quintana, em seu texto “Mãe” foi um dos que se empenharam para explicar este amor em versos.
Mãe
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais...
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena-confessam mesmo os ateus-
És do tamanho do céu
E apenas menor do que Deus!

          As crianças da Escola Municipal Edmo Pinheiro, em Cajupiranga, também se esforçaram para traduzir e homenagear, à altura, as mães servidoras da instituição - da gestora até as funcionárias da limpeza passando por todas as professoras.  No último dia 15 de maio, ainda celebrando o Dia das Mães, as mesmas receberam um cartão com poesias da autoria das crianças da escola e ouviram a leitura do texto do poeta gaúcho, uma iniciativa do mediador de leitura Sérgio Oliveira.


A escrita dos poemas na biblioteca da escola antes do Sarau
A leitura do poema "Mãe", de Mário Quintana

          Em um mutirão poético, as crianças escreveram poemas e, durante um 'Sarau Relâmpago', leram e declamaram seus textos para estas que, na sua feminilidade e força, desempenham tantos papeis e, por esses e outros motivos, merecem honra.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Frutos já se colhem da Ação Leitura 2015

          A “Ação Leitura 2015”, evento que mobilizou a cidade de Natal, e Parnamirim teve o prazer de participar, vem mobilizando adolescentes de várias escolas potiguares para que se interessem pela leitura e pela produção literária.

          Para muitos jovens, a leitura, na escola, tornou-se sinônimo de uma tarefa árdua, chata e obrigatória.  Uma escritora da idade dos demais jovens leitores, pode, e muito, inspirar pelo exemplo.

          Regina Azevedo, uma dentre as dezenas de escritores que estiveram presentes no evento, começou a escrever poesia aos 12 anos e, hoje, três anos depois, se destaca na nova geração de literatos do RN. 

          Do outro lado da cidade, em Nova Parnamirim, a jovem Enny Emily Assis, da Escola Municipal Maria Francinete, também se apaixona pela literatura com idade similar a de Regina.  Para além de uma literatura que acumula apenas datas, períodos literários e nomes de autores, Enny Emily, no encontro acontecido no último dia 12 de maio de 2015, enfrentou sua timidez, e, diante de um público de seiscentos adolescentes no Teatro Alberto Maranhão, leu o poema que escreveu em homenagem à escritora.
"E  quando você pergunta:
"Quem fala no escuro?"
Eu não respondo, 
Mas tenho noção
Depois tento te responder
Mas tudo isso tento dizer
Cai no chão
E se quebra em sete pedaços...
Alguns assobios que ecoam
Agora na sala
Eles não são tão bons
Quanto eu posso descrever.
Regina Azevedo
Nascida na cidade do sol
E eu lhe copio acrescentando:
Sol é uma bola de fogo
Que pode acabar com tudo! 
Eu aqui e agora,
Descendo escada
Tocando o amarelo 
da luz das vidraças
E não estando nela...
Mas desejando a sua paz."
          
Enny Emily lê poema de sua autoria no Teatro (Crédito das fotos: Sarah Wollermann/Jovens Escribas)
Outros alunos também participam fazendo perguntas aos escritores (Crédito das fotos: Sarah Wollermann/Jovens Escribas)
450 adolescentes participaram da Ação Leitura (Crédito das fotos: Sarah Wollermann/Jovens Escribas)
A homenageada Regina Azevedo (Crédito das fotos: Sarah Wollermann/Jovens Escribas)
          Uma (A)ação capaz de mobilizar muitas outras ações.  Emily se constitui como leitora e escritora, sob influência da poetisa Regina Azevedo, de similar idade. E é assim, ato a ato, que se faz uma comunidade de leitores.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Depois do Ação Leitura... Desejos que se fortalecem!


Que cada adolescente da Escola Maura de Morais apaixone-se pelo livro e também pela autoria, em silenciosa revolução provocada pela mediadora de leitura Juscely Confessor; 

Que cada menino e menina da Escola Maria Francinete revigore-se, nas suas possibilidades mil de ler, como que em uma experiência amorosa, com a cooperação da guardiã Vera Vilela;

Que cada leitor da Escola Joana Alves se delicie no simples ato de mover páginas, sejam tocados em sua existência, com a cooperação do mediador de leitura Sérgio Oliveira;

Que todos os jovens da Escola Manoel Machado sonhem fácil e amem o essencial, despertados pelo poder que há na voz da Profª Luciana Bulhões com um livro na mão;

Que cada rapaz e moça que frequenta a biblioteca da Escola Augusto Severo se encante e se eleve, mexidos e remexidos pelas histórias narradas pela mediadora Anízia Gomes;

Que cada adolescente da Escola Brigadeiro Eduardo Gomes, movido por simples prazer, viva a vida que desabrocha das entrelinhas das páginas sob a voz da Profª Lúcia Silva;

Que todo leitor que frequenta a biblioteca da Escola Carlos Alberto visite lugares e sonhos nunca imaginados com a ajuda da mediadora Aurinay Diniz;

Que os adolescentes da Escola Nestor Lima pulsem e sejam presenteados pela Profª Gilvanete Nunes com leituras mil que os transportem;

Que todo menino e menina da Escola Silvino Bezerra encante-se com a beleza da ideia da literatura e seja convidado a prosseguir como leitor com a ajuda dos Profºs Eduardo Torres e Luíza Branco;

Que a juventude da Escola Ivanira Paisinho atravesse as paredes do tempo na criativa tarefa da leitura com a cooperação da Profª Lilian Rufino;

Que todos os leitores da Escola Eva Lúcia, ainda que jovens, reflitam e aprimorem-se, com leituras diárias no lugar especial que se chama biblioteca, com a ajuda da Profª Marta Sousa;

Que todos os jovens da Escola Maria do Céu fortifiquem-se na sua sensibilidade, adentrando no mundo da leitura capitaneados pela mediadora Ingrid Ramos;

Que os meninos e meninas da Escola Luis Maranhão apreciem o convívio com escritores de literatura, vendo a realidade com os olhos da imaginação de outros, sob as vozes das guardiãs Joana Castro e Jaciana Sousa;

Que todo adolescente desse rio pequeno entre em contato e, então, se apaixone, pelos papéis e suas ilustrações, por suas cores e odores, seus moldes e formas, densidades e cores, portes e amores que há no objeto livro! Que todos se façam leitores!


No Parque da Cidade,  leitores se fundem com os escritores Carlos Fialho, Clotilde Tavares e Mário Prata

Antes da palestra com o escritor Pablo Capistrano e Marcio Benjamim, os alunos conhecem o Teatro Alberto Maranhão

No bate papo com a escritora Regina Azevedo

Os escritores Clotilde Tavares e Mário Prata narram suas experiências enquanto leitor e escritor
Para outros expectadores, para além da escola

Uma experiência para se guardar