sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Claudia Santa Rosa abre a formação do ano letivo de 2015 para os mediadores de leitura de Parnamirim

          Ninguém nasce leitor, tal qual aprendemos a falar, erguer-se, escrever, também nos tornarmos leitores. Os pais são potenciais facilitadores no processo formativo do leitor, porém, se ainda não são dados à leitura, nem tudo está perdido.

          O sujeito não leitor precisa ser acordado, assim como a Bela Adormecida de Perrault, através do encanto e do prazer que a leitura proporciona.  Os encontros de formação oferecidos pelo Projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” desde o ano de 2010 são uma oportunidade para fazer suscitar em nossos mediadores de leitura e em nossos pequenos o desejo por ler.

          Pois bem.  Iniciou-se, no dia 27 de fevereiro de 2015, a formação continuada dos mediadores de leitura.  A primeira aconteceu sob a articulação da Profª Drª Claudia Santa Rosa, coordenadora do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), que narrou sua trajetória profissional, relembrou suas primeiras leituras mediadas por sua mãe e sua sábia escolha pela docência.  Memórias regadas por citações de Bartolomeu Campos de Queirós e Antônio Cândido e a leitura de "O Amor é Vermelho", de Suzana Vargas.  Em seu discurso, Claudia também afirmou que a leitura é condição para ser e que foi a literatura a responsável pelo empoderamento em sua carreira.  



          Uma manhã agradável e esclarecedora.  Um discurso leve, a despeito do tema, que é profundo e necessário.  Uma abordagem com forte embasamento teórico e exemplos possíveis de uma professora titulada que não foge do desafio da educação pública. 

         Na oportunidade, também foram apresentados os articuladores dos polos e a Profª Simone Leite falou da inserção do Ensino Infantil no Projeto Rio de Leitura.  

          A todos que desejam fazer de Parnamirim uma cidade de leitores. um Feliz Ano letivo de 2015 regados de boas leituras!



          

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Encontro de mediadores de leitura terá Claudia Santa Rosa na abertura do ano letivo em 2015

         
       
         Claudia Santa Rosa é exemplar em tudo que se propõe.  A educadora norte-rio-grandense dedicou toda uma vida a educação pública e tem forte compromisso com a promoção da leitura literária no Estado, e para além dele.

          É Mestre e Doutora em Educação e coordena o Instituto de Desenvolvimento da Educação, parceiro do projeto "Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura", com projetos reconhecidos pela credibilidade e pelo trabalho efetivo de mudança social nos contextos em que atua.

          
          
        E é por defender um dos temas mais caros na educação, que é a leitura, que o Projeto convidou Claudia Santa Rosa para um bate-papo com os mediadores de leitura no próximo dia 27 de fevereiro (sexta-feira) de 2015, no Auditório Vinicius de Medeiros (ao lado da Escola Municipal Augusto Severo), apenas no turno matutino, às 8h, com o tema "Desafios e Perspectivas na Formação de Leitores desde a Educação Infantil". 

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Trabalho em pólos: uma luta compartilhada por todas as escolas leitoras de Parnamirim!

          A estratégia desenvolvida pelo projeto de dividir as bibliotecas escolares por pólos, certamente, foi responsável por aprimorar a efetividade do trabalho da promoção da leitura em Parnamirim, em 2014.  Os benefícios foram inúmeros: os grupos estavam ainda mais motivados, os conflitos – naturais em quaisquer grupos - foram melhor administrados, a comunicação foi efetivada, os eventos foram inovadores e alcançaram muitos outros leitores, e a proatividade foi alcançada. 


Articuladoras que atuaram em 2014

          Para ainda melhor funcionar o trabalho em pólos, convidamos outros professores para auxiliar na equipe: são os sub-articuladores, que agregarão valor e dividirão as cargas de um trabalho que, por si só, já é complexo.

          O Polo 1 continua sob a tutela da mediadora de leitura Vera Vilela, da Escola Municipal Sadi Mendes, tendo cooperação do professo Sérgio Murilo, da Escola Municipal Joana Alves.  As demais escolas deste pólo são: Edmo Pinheiro, Sadi Mendes, Poeta Luís Carlos, Maria Francinete, Erivan França e Raimunda Maria.

          O Polo 2 tem a Escola Municipal Nossa Srª da Guia como sede da mediadora articuladora Maria José Belchior.  Cooperará com ela, em 2014, a Profª Maria Itamara, da Escola Municipal Manoel Machado.  Ainda compõem este polo as escolas: Maura de Morais, Rubens Lemos e Josafá Machado.

           Francilene Nunes, da Escola Municipal Íris de Almeida é a articuladora do Pólo 3.  A mediadora Santana Oliveira, da Escola Municipal Osmundo Faria dará a sua contribuição com estas escolas.  Ainda integram:  Escola Municipal Eva Lúcia, Irene Soares, José Fernandes, Francisca Avelino, Luiz Maranhão e Osmundo Faria.

          Pólo 4 continua sob a coordenação de Jarlene Carvalho, da Escola Municipal Manoel de Paiva; a mesma terá a contribuição de Rose Mafra, da Escola Municipal Luzanira Maria. As demais são Maria Saraiva, Limirio Cardoso, Nestor Lima, Antônio Basílio, Carlos Alberto, Augusto Nunes e Maria do Céu.

          A Profª Valéria Vaz, da Escola Municipal Jacira Medeiros é a nova articuladora do Pólo 5.  As escolas Alzelina de Sena, Eulina Augusta, Enedina Eduardo, Jussier Santos, Silvino Bezerra, Maria de Jesus e  Augusto Nunes são as outras instituições participantes deste polo, que será auxiliado pela mediadora Marlizete Ricardo, da Escola Municipal Cícero Melo.

         Simone Leite, junto a mediadora Laíse Nobrega são as responsáveis pela implantação do projeto piloto na Educação Infantil, compostas pelos Centros Infantis Dr. Ilson Santos, Profª Djanira Freire da Mota, Lúcia Maria dos Santos, Maria Dilma Lacerda e Joanita Arruda Câmara.
          
          Para o desafio do Fundamental ll, ficarão como articuladoras Juscely Confessor e Joana D'Arc, das Escolas Maura de Morais e Rubens Lemos, respectivamente.

          O Pólo 6 estará terá como promotora Josely Ferreira, da Escola Municipal Francisca Bezerra, auxiliada pela Profª Celene Cardoso, da Escola Municipal Ivanira Paisinho. Ainda compõem este polo as escolas Homero Dantas, João Gomes, Neilza Gomes, Costa e Silva e Augusto Severo.

          Uma luta compartilhada por escolas de um mesmo bairro; um desejo estimulado por mediadores que almejam o mesmo; uma meta a ser atingida, que não é responsabilidade de um, mas de toda uma equipe.  2015 nos aguarde!

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Vagão dos leitores, a preferência de quem lê

Fonte: http://homoliteratus.com, acessado em 15 de fevereiro de 2015.


          Que leitor nunca se decepcionou ao entrar em um transporte público preparado para devorar seu livro durante a viagem e depara-se com a ausência de lugar disponível para sentar e apreciar o livro que está aguardando ser lido? Alguns se arriscam a ler de pé, outros deixam a frustração presente. Tem horas que a pergunta ilustra a mente decepcionada: E se existisse uma lei preferencial para leitores? Nas últimas semanas o metrô em São Paulo tem ganhado novos adesivos para assentos preferenciais. Nenhuma lei nova foi decretada, mas os publicitários Vinicius Dias e Fabiano Gonçalves saíram por aí colando adesivos em defesa ao “Assento reservado para leitores”. O objetivo da ação é ir além de um assento para um leitor: é ganhar um vagão exclusivo para leitores, o vagão dos leitores.
          
         Enquanto não conquistam essa realização (que todo leitor agradeceria, afinal, ler em pé é sempre trabalhoso e não lê-lo por falta de lugar é pior ainda) eles colam adesivos pelo metrô paulistano incentivando à leitura. Os adesivos respeitam a ordem: nunca ocupam o espaço reservado por lei, já determinado.


sábado, 14 de fevereiro de 2015

Agenda 2015 narra, em versos, a história do Projeto Rio de Leitura

         O que está escrito tem o poder de ser eternizado e passar a outras gerações. Poemas escritos pelos literatos José de Castro, Marcellus, Hailton Mangabeira, José Acaci, Francisco Martins, Geraldo Tavares, Gilvânia Machado, Nivanilde Pessoa, Neemias Damasceno, Eduardo Torres Cordeiro, Vera Azevedo, Luiz Antonio Norberto e ainda os alunos Jefferson Leonardo e Silvana Melo, incluindo depoimentos importantes como os de Claudia Santa Rosa, Volnei Canônica, Eduardo Gosson para honrar o Projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” foram imortalizados em uma agenda distribuída no dia 11 de dezembro de 2014 para os mediadores de leitura.

          Como bem disse a Profª. Vandilma de Oliveira, na abertura da agenda, "estamos envolvidos nesse esforço de avançar na relação com a palavra escrita".  E, desejou, "que viva, a cada átimo, de maneira ponderada e sábia, os dias brindados a nós.  Em cada pulsar do tempo, na ampulheta da vida, que haja, sempre, um especial momento dedicado à leitura."


Alguns dis escritores que participaram da agenda

          E foi em clima de gratidão, no encerramento oficial das atividades do Projeto, que celebramos um ano de grandes vitórias, em âmbito nacional, deixando marcado na história de Parnamirim o nosso trabalho.  Seguem alguns dos poemas escritos especificamente para honrar o nosso trabalho:


"Rio Pequeno,
Pequeno Príncipe,
Que, em seu leito
Dormem
Saudades bravias"
Nivanilde Pessoa

"O dia já vai alto
E ainda dormes
Entre outras tantas
Flores do jardim
Tu és aquela que acolhe
Capítulo de um bom livro
Posso te ler assim,
Parnamirim"
Geraldo Ribeiro Tavares

Esquina do mundo
Trampolim da Glória
Rio pequeno
Que de leitura transborda"
Francisco Martins


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Leitura, Magia e Encantamento


Por *José de Castro

          A alegria se inaugura no coração dos escreventes que têm o privilégio de ter olhos leitores perspicazes pousados nos seus escritos. Há uma teia que une autor e leitor. Uma antahkarana mágica de palavras que os envolve e traz uma brisa, um sopro a segredar que a vida ainda vale a pena.

          Poetas, escritores, leitores, todos se alimentam desses trigais da palavra que se balançam pelas campinas da literatura. E ondulam almas e corações. Ora tristeza, ora solidão. Ora encontro, ora desencontro. Mas sempre magia. Descoberta. E encanto.

          Há um momento em que a palavra nos alumbra e nos preenche. É o momento singular da fruição sagrada. O momento solitário da leitura. E, ao mesmo tempo, solidário com o autor, com as personagens, com as situações descritas. É o momento de conhecer ideias novas, pensamentos divergentes ou similares ao nosso. É a hora de se identificar e de se perceber o quão iguais ou o quão diferentes e singulares todos nós somos. É a vez de fruir emoções e de se encantar com o belo. E também se aventurar.

          Na leitura, viajamos para lugares nunca visitados. Países longínquos, para a terra dos sonhos proibidos. Visitamos cenários nunca dantes imaginados, como as Cidades Invisíveis, de Calvino; a Shambhala, dos Budas; a  Shangri-La, de James Hilton; a Pasárgada, de Bandeira; a Avalon, de Marion Zimmer Bradley; a Terra Média, de Tolkien; a Lilipute, de Jonathan Swift; a Utopia, de Thomas More; Nárnia, de C.S.Lewis; Bruzundangas, de Lima Barreto; a Macondo, de  García Marquez; a Terra de Oz, de L. Frank Baum; Gotham City, Bedrock , Bangalla, Patópolis e a Mata do Fundão, do mundo dos quadrinhos. Ir junto com Alice ao país dos espelhos, de Lewis Carroll, e a tantas outras terras mágicas que instigam a nossa imaginação.

          Então, ler é conhecer mundos próximos e mundos distantes. É dialogar com os autores. Imaginar-se na pele das personagens que nos encantam. Beijar com os lábios da imaginação aquele mocinho ou aquela mocinha que tanto amamos. Engravidar-se de emoções profundas que fazem nascer sentimentos paradoxais, contraditórios, alegres, tristes, felizes, infelizes. Sentir-se de muitos jeitos, mas nunca indiferentes.  

          Ler é trilhar veredas de grandes sertões. Irrigar com lágrimas tantas vidas secas. Sentir-se um grande rei ou um pequeno príncipe, ser bruxa ou fada, princesa ou rainha de reinos encantados. É roubar o sorriso das estrelas e distribuir ternuras aos quatro ventos. É encontrar o paraíso perdido, a Atlântida, a ilha misteriosa do tesouro. Sentir na face o vento dos morros uivantes. É ser um argonauta e viajar pelos sete mares, explorar a Terra do Nunca, e dar a volta ao mundo em poucas páginas de distância.

          Ser letrado é uma magia. Escrever a própria história e inventar novos mundos é um privilégio. É como o gesto de afagar cada palavra que vai se emendando uma à outra e depois a mais outra, num cordão mágico a mapear as veredas. Como o fio de Ariadne nos dizendo que há, sim, uma trilha que pode seguir sempre em frente. E que não se precisa ter medo de olhar para trás. Que a volta será sempre por cima, nas trilhas da emoção. Pelos caminhos de poemas, crônicas, ensaios, contos, novelas ou romances. E tantos outros escritos que desfilam na passarela dos diversos gêneros. Um haicai, um poetrix, uma trova, um soneto ou um rondel. Cada gênero a ser fruído como favo de mel.

          Escrever é magia. Ler é encanto. Reler é o paraíso. Sejamos o pássaro de voo longo, asas compridas e fortes para elevar os sonhos para além do horizonte da mesmice. Sejamos cúmplices do momento breve que se esvai no voo leve da palavra. No instante mágico do verso que tem a medida exata das emoções e dos mais secretos sentimentos. Deixemo-nos ser arrastados no caudal de uma prosa cadenciada, que nos leva pelos caminhos da aventura a nos lançar desafios a cada nova página de um livro. Não um livro qualquer. Mas aquele livro que nos escolheu para ser lido. Ou para nos ler. Porque os livros também conhecem um bom leitor. Eles se alegram com aqueles que os cheiram, que os tocam com cuidado, aqueles que os acariciam. Pois os livros sabem que um bom leitor sente o perfume de cada palavra, o seu peso e a sua cor. Ele sabe escutar e dialogar com o silêncio eloquente que emerge de cada página folheada.

          Ali, juntos. O autor, o livro, o leitor. Em casa, numa escola, numa biblioteca ou sob uma árvore. Não importa o lugar. Há uma tríade que compartilha o momento mágico da leitura. Quando as personagens ganham vida, os cenários se desenham na imaginação do leitor, a história vai se desenrolando pouco a pouco. É quando o poema, em silêncio, descortina o véu da beleza e da emoção. E, de mansinho, vem fazer morada dentro de cada um. No leitor, a obra se completa. E se inaugura uma cumplicidade a se estender para além dos olhos. Porque a boa leitura se faz com a alma. Mas também com o coração.




José de Castro, jornalista, escritor, poeta. Mestre em Tecnologia da Educação. Autor de livros infantis (A marreca de Rebeca, O mundo em minhas mãos, Poemares, Poetrix, Dicionário Engraçado e A cozinha da Maria Farinha). Contato: josedecastro9@gmail.com

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Oportunidade: Curso de Especialização em Literatura na Escola

                   


          Atenção professores da Rede Pública do Ensino Básico, exclusivamente pedagogos que atuam no 5º ano do Ensino Fundamental, já está disponível no site da UFRN o edital referente ao curso de especialização em Literatura na Escola, vinculado ao Grupo de Pesquisa Ensino e Linguagem.  O curso terá duração de dezoito meses e será ofertado gratuitamente às terças-feiras, pela manhã. Os interessados devem ficar atentos ao prazo de inscrição.  Edital disponível aqui.