quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Edmo Pinheiro veleja no Rio de Leitura


          Alegra saber que, em Parnamirim, o livro, a leitura e a biblioteca são, hoje, palavras familiares em todas as escolas da rede municipal.

          Esta semana, especificamente no dia 25 de setembro, a Escola Municipal Edmo Pinheiro promoveu o seu ll Ato Literário intitulado “Velejando num Rio de Leitura” trazendo o tema da poesia popular. 


          Através de suas obras estiveram presentes escritores como Manuel Bandeira e Jessier Quirino, mas fisicamente quem esteve a visitar o bairro de Cajupiranga foi um dos maiores poetas populares: nada mais, nada menos que... Patativa do Assaré!



          Poemas de alunos e professores foram lidos e danças homenageando Lampião e Maria Bonita coreografados por alunos da Escola Municipal Joana Alves foram apresentadas.  Uma festa a honrar o repertório do romanceiro popular do sertão brasileiro.




          








          Mar afora, ainda existem recintos onde ficam depositadas e catalogadas diversas coleções de livros, periódicos e outros documentos, apenas para consulta no local, longe dos interesses da comunidade a quem deve servir.  Na cidade do rio pequeno, bibliotecas-veleiros singram em momentos assim onde meninos e meninas celebram a poesia! Parabéns ao Edmo Pinheiro!

domingo, 21 de setembro de 2014

Primavera Literária acontece na Escola Municipal Rubens Lemos


 "E tu chegaste
vestida de flores,
ornada de cores,
inebriante de odores,
bela Primavera,
estação dos amores!"
Lêda Melo

          Não apenas a poetisa Lêda Melo, mas, também, Mário Quintana, com seu poema "Encantação da Primavera", Patativa do Assaré, com seu texto "O Nordeste é Poesia", "As Floristas", de Elias José, "Rosa", de Pixinguinha e tantos outros mais estiveram presentes na ll Primavera Literária da Escola Municipal Rubens Lemos.  A iniciativa da mediadora de leitura Joana D'Arc também oportunizou a apresentação de poemas de alunos e do patrono da Biblioteca Escolar Francisco Martins, presente no evento.

         Na pauta do evento, coordenadores pedagógicos, professores, e alunos leitores - muitos deles! - se envolveram com os livros e perfumaram o ambiente com poemas das mais ricas cores.







          Ah....poetas inspirados, teus sonetos falam de amores e de flores, da beleza de nossas terras e deixa comunicar um sentimento tal que encanta e emociona a quem lê.  Tão necessários, em qualquer estação!

          Tarde inspiradora. Oxalá muitos adolescentes - e adultos até - do bairro de Emaús sintam-se desejosos de sentar-se à sombra de uma árvore, envoltos por pétalas de flores e perfumes, e deliciem-se com um bom livro. 

sábado, 20 de setembro de 2014

Quando flores inspiram os poetas: Primavera Literária acontece na Escola Manoel de Paiva


"Mas é certo que a primavera chega.
 É certo que a vida não se esquece, 
e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento,
 — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. 
Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.”
 “
          Os versos de Cecília Meirelles exaltam a primavera: uma das mais belas estações do ano.  

          A época também foi homenageada por outros escritores como Weid Souza, Drika Duarte, Ana Leopoldina e Salizete Freire, na ll edição da Primavera Literária na Escola Municipal Manoel de Paiva, evento conduzido pelas mediadoras de leitura Jarlene Carvalho e Cícera Soares. 

          As quatro flores do jardim de escritores potiguares leram suas produções, foram homenageados com poemas de outros, e as crianças a eles também fizeram uma entrevista recheada de curiosidade sobre suas produções.  Enfim... um dia que trouxe beleza à paisagem que rodeia as crianças do bairro de Passagem de Areia.   

          Deixemos que este jardim floresça e que as flores leiam em ventos de primavera!
          
Aluna lê "Canção da Indiazinha", de Cecília Meireles

Escritor Weid Sousa lê trecho de sua obra "Circo de Poesias"

Poetisa Drika Duarte lê para criança


Escritora Salizete Freire conversa com as crianças sobre sua produção

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Bazar do Folclore acontece na Escola Cícero Melo

          Segundo o dicionário Aurélio, Bazar é uma “loja onde se vende toda sorte de objetos”.  De conformidade com a Escola Municipal Cícero Melo, um Bazar pode ser uma oportunidade de promover a leitura de literatura.  E, de acordo com o escritor paulistano Ricardo Azevedo, na sua obra “Bazar do Folclore”, o estabelecimento ideal para se ler histórias populares é a escola.

          E, nas prateleiras desse “bazar”, organizado pela mediadora de leitura Marlizete Ricardo, neste último dia 12 de setembro, na Sala de Leitura Salizete Freire, teve de tudo: versos em quadras, exposição de plantas medicinais, descrições de monstros, o conto folclórico tradicional "O Macaco e a Velha" e outras leituras mil.


          Alguns cliques comprovam como a tarde foi especial:









          

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Confraria de Leitores do Nestor Lima visita Museu das Xícaras


“O moinho de café
Mói grãos e faz deles pó.
O pó que a minh'alma é
Moeu quem me deixa só.”

          Teriam sido inspirados os versos de Fernando Pessoa nos próprios sabores ou cheiros da bebida tão querida?

          O fato é que, suave ou amargo, adocicado ou ácido, o café é paixão em nosso país.  Acredite: os brasileiros tomam cerca de 430 milhões de cafezinhos por dia (!).  

         No último dia 12 de setembro, a Confraria de Leitores da Escola Municipal Nestor Lima visitou o Museu das Xícaras, na Zona Norte de Natal.   Os adolescentes conheceram os processos industriais na fábrica da 3corações e investigaram cada etapa da transformação da fruta café na segunda bebida mais consumida no mundo, depois da água; ouviram sobre sua história desde o início do século IX; conheceram o Museu das Xícaras, que abriga, em seu acervo, mais de quatro mil peças; e, obviamente, degustaram o café e leram!


A visita guiada ao Museu das Xícaras

Leitura da obra de Lenice Gomes

Corpo discente e docente da Confraria de Leitores

          Que o café continue a energizar os meninos e meninas do bairro de Passagem de Areia a prosseguirem nas suas leituras!

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Polos de Leitura planejam ações para o último semestre em Parnamirim

          Desde o início do ano letivo em 2014 que as escolas leitoras da cidade de Parnamirim foram divididas em polos, assim divididas por critérios geográficos.  

          São vários os objetivos, mas um dos mais relevantes é a descentralização e ampliação das ações de leitura para que elas ultrapassem os muros das escolas alcançando as comunidades em que estão inseridas.

          Neste último dia 10 de setembro, aconteceu uma reunião com as articuladoras Vera Vilela, Francilene Nunes, Maria José Belchior, Marlizete Ricardo e Beth Campos, na Biblioteca Escolar José Xavier Cortez. Entre sorrisos e textos de Cora Coralina, reclamações e poemas de Drika Duarte, troca de elogios e textos de João Cabral de Melo Neto, lágrimas e livros de Roseanna Murray, estávamos nós. 

          Os polos de leitura estão assim divididos:


Polo 1

Escola Municipal Brig Eduardo Gomes  (Mediadora articuladora Vera Vilela)

Escola Municipal Edmo Pinheiro
Escola Municipal Sadi Mendes
Escola Municipal Poeta Luís Carlos
Escola Municipal Maria Francinete
Escola Municipal Erivan França
Escola Municipal Raimunda Maria




Polo 2

Escola Municipal Nossa Srª da Guia  (Mediadora articuladora Maria José Belchior)

Escola Municipal Maura de Morais
Escola Municipal Rubens Lemos
Escola Municipal Josafá Machado
Escola Municipal Manoel Machado



Polo 3


Escola Municipal Íris de Almeida (Mediadora articuladora Francilene Nunes)

Escola Municipal Eva Lúcia 
Escola Municipal Irene Soares
Escola Municipal José Fernandes
Escola Municipal Francisca Avelino
Escola Municipal Luiz Maranhão
Escola Municipal Osmundo Faria



Polo 4

 Escola Municipal Manoel de Paiva (Mediadora articuladora Jarlene Carvalho)
Escola Municipal Luzanira Maria
Escola Municipal Maria Saraiva
Escola Municipal Limirio Cardoso
Escola Municipal Nestor Lima
Escola Municipal Antônio Basílio
Escola Municipal Carlos Alberto
Escola Municipal Augusto Nunes
Escola Municipal Maria do Céu



Polo 5

Escola Municipal Cícero Melo (Mediadora articuladora Marlizete Ricardo)
Municipal Alzelina de Sena
Escola Municipal Eulina Augusta
Escola Municipal Enedina Eduardo
Escola Municipal Jussier Santos
Escola Municipal Silvino Bezerra
Escola Municipal Maria de Jesus
Escola Municipal Augusto Nunes




Polo 6

Escola Municipal Homero Dantas (Mediadora articuladora Beth Campos)
Escola Municipal Luzanira Maria
Escola Municipal Francisca Bezerra
Escola Municipal João Gomes
Escola Municipal Neilza Gomes
Escola Municipal Joana Alves
Escola Municipal Costa e Silva
Escola Municipal Augusto Severo
Escola Municipal Ivanira Paisinho



          E, representando as mais de 30 mil crianças que compõem toda a rede municipal de escolas leitoras, fomos brindados com a leitura da pequena e doce Emily Ferreira, de apenas 7 anos.



segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Jussier Santos promove "Vivências Literárias" no bairro de Santa Tereza

          Silvana Silva, é cabeleireira e é mãe de Heloísa Silva, de apenas oito anos, aluna da Escola Municipal Jussier Santos, em Parnamirim.  Até aí uma típica família brasileira comum, se não fosse o cotidiano interrompido pelo projeto "Vivências Literárias", através da ação "Literatura em Minha Casa", desenvolvido pela professora Jenny Aires e apoiado pela mediadora de leitura Christina Cruz, ambas da mesma instituição.

          A proposta do projeto é que, após a visita realizada, uma cesta com livros é deixada na casa da família e quando recolhida, os membros entregam suas experiências literárias registradas em um caderninho.

          A verdade é que, quando se fala em livros e leitores, logo associamos a ideia da escola.  Mas, é preciso lembrar que, antes de se tornar um leitor na instituição escolar, meninos e meninas precisam ter, em seus lares, modelos de leitores.

         Obviamente, o mediador de leitura não deve se esquivar de suas funções ao apresentar o objeto livro atribuindo aos parentes a “culpa” de o filho ter chegado à escola sem nenhum gosto pela leitura.  E assim tem feito a Escola Municipal Jussier Santos, no bairro de Santa Tereza.

O percurso até a casa da família

A chegada

        
A apoteose


         Logo a família Silva deixará de ser uma exceção, para se tornar, ainda mais, a mais comum das famílias, que possuem livros à seus dispor em sua residência.