quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O RN Quer Ler Mais, na CIENTEC

          Hoje, dia 23 de outubro de 2014, nosso município foi representado pelo Projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” durante o evento “O RN quer ler mais” na XX CIENTEC, na UFRN.

          Uma mesa com o tema “Painel dos Planos de Incentivo à Leitura”, composta por Claudia Santa Rosa, do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), Aluísio Azevedo Júnior, escritor e agente atuante no segmento de livrarias, Edineide Almeida, que representa a  União dos Dirigentes Municipais de Educação do RN, foi coordenada pela professora Maria do Carmo, coordenadora do Fórum, e apresentou o cenário em que se encontra a cidade de Natal na construção do Plano Municipal do Livro, da Leitura e das Bibliotecas (PMLLLB). 

A mesa

Dividindo a experiência de Parnamirim com os presentes

          As cidades de Parnamirim e Acari foram convidadas à mesa, apesar de não terem os seus planos ainda construídos, mas como exemplos de cidades que estão partindo da prática – já consolidada - para a construção do Plano.  Ainda em 2014, aguardamos que haja a criação do Grupo de Trabalho para a construção do PMLLB.  

          Avante!  Na construção por um rio perene!

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Mais Respeito, eu sou Pedro Bandeira!

          Com a presença do escritor infanto-juvenil mais vendido no Brasil, Pedro Bandeira, foi aberta oficialmente hoje, dia 21 de outubro, a 20ª Semana de Ciência, Tecnologia e Cultura/2014 (CIENTEC).  O projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” estava lá, através de alguns de seus representantes para ver e ouvir o escritor que ministrou a conferência “Ler para Ser” no auditório da Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 

          O professor fez, junto aos presentes, uma viagem ao passado brasileiro, recordando-nos como sempre vivemos sob uma ditadura, desde à época da Colônia e, como desde tão cedo, os livros foram proibidos à serviço de algumas ideologias.  Lembrou-nos de como é preciso se repensar os nossos ofícios, enquanto professores.

Na sua conferência

Alguns mediadores de leitura presentes

          Em sua conferência, disse o escritor, com a propriedade de quem lê: 

“Quem precisa de professor é o não-leitor.  E o Brasil, mais do que nunca, precisa do professor, pois foram 500 anos de botas enlameadas.  Isso ainda levará duas gerações para reverter esse quadro.  Não podemos ser sem ler. O médico faz tudo pelo seu doente terminal e, mesmo se falir, assina seu atestado médico, ciente que fez o máximo.  Abdiquemos do poder de produzir marginais nas nossas escolas.  Como fazemos para ensinar alguém a ler?  Do mesmo jeito que ensinamos a nadar: nadando!  Lendo!  Tudo o que sabemos não foi o professor que ensinou.  Ele apresentou, estimulou, seduziu.  Mas só faremos esse jogo de sedução se houver amor.  Por isso, ame!  Lute!  Todo o conhecimento está escrito.  Se a criança não for capaz de ler, ela não terá futuro.  E, se ela não tiver futuro, o Brasil, também, não terá futuro.  Dê poesias às crianças com dificuldades de leitura.  Ofereça as Fábulas de Esopo.  Dê humor às crianças com dificuldades de leitura.  Elas se sentirão gratificadas quando entenderem. Elas rirão!”

          Escritor de muitos gêneros: narrativas longas e curtas para adultos e crianças, poesia, teatro, tradução e adaptação. Uma produção de quase cem títulos publicados. Aproximadamente vinte e dois milhões de livros vendidos. Uma coleção de prêmios literários. Justifica-se ainda mais o sucesso de Pedro Bandeira quando se ouve uma conferência como nós ouvimos hoje.  Apaixonante. Próxima. Envolvente. Uma daquelas ministrações difíceis de esquecer!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Rubens Lemos prepara sarau para homenagear professores em seu dia

          Números do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) ou do Produto Interno Bruto (PIB) ainda são relevantes para se determinar o presente de uma nação.  Porém o futuro, ahhh, o futuro pode ser avaliado pela dedicação desta classe de trabalhadores importantíssimos em qualquer pátria: os professores.

          Esta vocação foi lembrada neste último dia 14 de outubro na Escola Municipal Jornalista Rubens Lemos, em Parnamirim.  Os alunos da instituição, estimulados pela mediadora de leitura Joana D’Arc, organizaram o evento "Sarau dos Educadores: dos Discentes para os Docentes” para homenageá-los em seu dia.

          Os professores foram recebidos com aplausos, troféus e, não por acaso, livros como presentes, pelos alunos do 6º ao 9º ano do Bairro do Parque Industrial que leram poemas de autores potiguares como José Acaci "A Importância Real do Professor" e Drika Duarte "Trajetórias de Almas"; e outros como Cora Coralina e Fernando Pessoa.  

          Os registros comprovam a tarde de emoções.  A quem honra, honra!





sábado, 18 de outubro de 2014

Um brinde ao professor! Mediadores visitam o Museu das Xícaras

          Enquanto o respeito aos símbolos de autoridade ainda não regressou às salas de aulas, o Projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura” tem se esforçado para honrar aqueles que se dedicam ao ato perigosíssimo de pensar, através dos livros. 

          Os mediadores de leitura de nossa cidade foram honrados com um passeio especial ao Museu das Xícaras nestes últimos dias 16 e 17 de outubro de 2014, em alusão ao Dia do Professor.  Uma degustação de cafés foi ofertada pelo Café Santa Clara para aqueles que se apresentam a semear livros e provocar o livre pensamento.  


A tchurma do primeiro dia
Prontas para a visitação à fábrica.  No segundo dia

Visitando o museu
Nossas lembrancinhas: um marcador de livro, um biscoito artesanal com o símbolo do projeto e, é claro,um livro.




          Um dia os maiores heróis de nossas crianças e adolescentes já não serão apenas os jogadores de futebol, MCs ou DJs.  Serão reconhecidos aqueles que se debruçam sobre a distinta tarefa, de grande importância e significado na vida de qualquer sociedade.

          Enquanto esse dia não se avizinha, no breu profundo que estão adormecidos a esperança e o desespero, a voz dissonante do projeto se levanta para o cântico de rara beleza de Castro Alves: “Bendito o que semeia livros!”  E, por sua nobre vocação, eles são afortunados mesmo!

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Salve o Dia do Professor!

          Sim, os livros são engrenagens fundantes no projeto “Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura”.  Mas, o que seriam deles sem os nossos mediadores de leitura?Juntos, livros e professores podem abrir – e muito – as comportas da reflexão.

        E, quando falamos destes profissionais, nem o projeto mesmo os reconhece com clareza, porque se entrecruzam, aqui, os especialistas situados diante dos desafios e das urgências de uma sociedade, e os AMIGOS.


        Para os dois - os profissionais e os amigos - o projeto preparou dois passeios para a celebração do seu dia.  No dia 15, fomos a Olinda e ao Instituto Brennand, em Recife.  No dia 15, em dois grupos, visitamos o Museu das Xícaras, na Zona Norte de Natal.











       Quase uma centena de professores a festejar!  


        Subimos as ladeiras da cidade colonial celebrando os ideais que nos unem, abrimos os sobrados com dobradiças de bronze diante da missão que nos aproxima,  o interesse que nos norteia, acendemos os castiçais do castelo diante dos livros que semeamos!

        Para eles, o que há de melhor: arte!

domingo, 12 de outubro de 2014

Neilza Gomes leva livreiro para um bate-papo na Semana Nacional da Leitura

          A pergunta é: o brasileiro não gosta de ler ou não compra livros devido ao seu alto preço?  Talvez as duas opções sirvam como resposta.  Estamos inseridos em um país que não nos alimentou como leitores e há, ainda, um alto custo a ser encarado quando adquirimos uma obra. (Mesmo com divergências sobre a qualidade dos livros e dos critérios utilizados para a escolha, considere a lista dos dez mais vendidos, a média é de R$ 40, o exemplar). 

          Há um drible antigo feito pelos leitores experientes: os sebos! Neste mercado que se alimenta excessivamente de novidades, esta excelente opção foi, exaltada por Carlos Drummond de Andrade, em sua crônica "O Sebo":

"O sebo é a verdadeira democracia, para não dizer: uma igreja de todos os santos, inclusive os demônios, confraternizados e humildes. Saio dele com um pacote de novidades velhas, e a sensação de que visitei, não um cemitério de papel, mas o território livre do espírito, contra o qual não prevalecerá nenhuma forma de opressão."

          No último dia 10 de outubro, abrindo a Semana Nacional da Leitura, a Escola Municipal Neilza Gomes levou o sebista Magno Arlindo para um bate-papo com as crianças na sua sala de leitura: uma iniciativa da mediadora de leitura Gracileide Oliveira. O livreiro compartilhou um pouco de sua experiência enquanto leitor e amante dos livros e, ainda, deu dicas de livros e de como escolher bons títulos.  Em um momento também especial da celebração, as crianças receberam um livro de presente. 


O amante dos livros apresenta suas obras preferidas
A mediadora de leitura Gracileide Oliveira apresenta Magno
   


          Que nenhum motivo extinga você como leitor.  E fica a dica: visite os sebos da cidade, o seu livro pode estar por lá, esquecido em alguma estante, aguardando, por anos, por você.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Francisca Bezerra nada nas "Ondas da Poesia"

          O que é a fronteira senão uma linha tênue no espaço?  

         Porém os rios, como parte integrante da natureza, não conhecem limites geográficos.  Assim acontece com o afluente Francisca Bezerra.  A escola ultrapassou algumas dezenas de quilômetros para a visita a alguns dos pontos turísticos de Natal, como a praia da Redinha e a Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes, construída com pedras retiradas do mar: paisagem perfeita para a literatura!

          "Ondas de Poesia": essa foi a ação que transpôs as terras parnamirinenses e chegou às terras da Zona Norte de Natal.  Meninos e meninas, estimulados pela mediadora de leitura Josely Ferreira, homenagearam a natureza com poemas à beira-mar - diante dela! - com textos de José de Castro, Roseana Murray e Sérgio Cappareili, dentre outros.

         Na terra, no ar ou no mar, as escolas de Parnamirim tem invadido não apenas os seus espaços, mas indo além de suas fronteiras.