Parnamirim; Saraus: Poesia regionalista

Para nunca mais esquecer: Sarau "Recordando as Coisas do Sertão"

06:42:00Rio de Leitura

          “O sertanejo é antes de tudo, um forte”. A sentença famosíssima do poeta Euclides da Cunha, no seu clássico livro “Os Sertões”, cooperou para que fosse cravado, no imaginário do leitor brasileiro, a figura do homem do sertão como aquele que sobrevive bravamente às agruras da terra.

          É verdade. E isso precisa ser lembrado.  Afinal de contas, recordamos e esquecemos o tempo todo.

          No último dia 3 de junho de 2015, um evento marcou a história de Parnamirim e será lembrado por todos os seus participantes daqui a alguns anos como um marco.  Foi o Sarau “Recordando as Coisas do Sertão”, organizado pela articuladora Josely Ferreira, da Escola Francisca Bezerra, que contou com a participação das escolas do polo 5, no espaço multicultural "Beco do Picado", em uma estrutura gentilmente cedida pela Fundação de Cultura, através do seu Presidente, Haroldo Gomes.


  




          De tudo o que já foi coletado, preservado e escrito por vários autores regionalistas foram lidos e recitados no sarau.  Meninos e meninas das escolas Costa e Silva, Augusto Severo, Ivanira Paisinho, Francisca Bezerra e Neilza Gomes, com a propósito de rememorar toda a grandeza da literatura feita no sertão e também aquela que tem o interior como cenário principal, leram no "Beco do Picado", local que vem sido resgatado diante do seu grande valor histórico, ao lado do Mercado Público de Parnamirim.  E leram os jambeiros, os beijus, as bodegas, as casas de farinhas, os munguzás, os candeeiros - em prosa ou poesia - de Patativa do Assaré, Francisco Martins, Luís Gonzaga e outros escritores.

          Para todos os leitores presentes, um arsenal de lembranças literárias que foram lembradas para nunca mais esquecer.





Você também pode gostar de

0 comentários

Postagens mais visitadas

Imagens Flickr

Formulário de contato