Formação continuada; mediadores de leitura; Rio de Leitura

Rio de Leitura: locus de formação continuada

12:56:00Rio de Leitura

          Para garantir um bom posicionamento diante do cenário de - ainda - poucos sólidos leitores nas escolas brasileiras, a formação continuada é uma das principais ferramentas do Projeto Rio de Leitura.  No primeiro semestre de 2018, foram estas as oportunidades ofertadas:

          1°. O tema da Semana Pedagógica para os mediadores de leitura foi ministrado pelo jornalista, escritor e patrono da Biblioteca Escolar Jacira Medeiros, José de Castro, que nos trouxe o desafio da estruturação do Plano Municipal do Livro, da Leitura e das Bibliotecas (PMLLB) da cidade de Parnamirim no dia 19 de fevereiro de 2018José de Castro esmiuçou, passo a passo, a construção do Plano, desde a estratégia de ampla divulgação, passando por um diagnóstico que mostre o perfil do leitor parnamirinense, a criação de um Grupo de Trabalho - que deve participar, juntos a outros, de fóruns de consulta popular - até chegar na audiência pública final que deve apresentar o texto à sociedade. Tudo isso regado a textos de Bartolomeu Campos de Queirós, José Acaci, Luís Fernando Veríssimo e Lygia Bojunga;


         2°. O Projeto Rio de Leitura, sonhando com mediadores de leitura vocacionados e, consequentemente, apaixonados, precisa interferir com esforços e políticas públicas de estudos na área. E, para a concretização deste ideal, conta com mediadores experientes e realizados no seu ofício, de forma que estes possam estabelecer um diálogo com alguns que acabam de chegar nas bibliotecas.  No último dia do mês de fevereiro, as mediadoras Lidiane Moura e Vera Vilela, das Escolas Sadi Mendes e Maria Francinete (Fundamental ll); e as mediadoras Naide Mendes e Dilza Magnólia, da Escola Homero Dantas (Fundamental l), fizeram a formação com mais de uma dezena de novos mediadores, através de um contato prático com a metodologia e, obviamente, com muitas leituras literárias para um bom trabalho em 2018; 


          3°. A força verbal alucinante eivada de pássaros de Manoel de Barros foi exaltada na segunda formação do ano de 2018 através do pesquisador Luís Carlos Freire.  Na manhã e tarde do dia 21 de março, Dia Mundial da Poesia, os mediadores de leitura ouviram por mais de duas horas a palestra, que certamente fortaleceu o ofício de levar "a palavra que serve na boca dos passarinhos", como bem disse o poeta.  O que críticos e literatos disseram sobre ele entre depoimentos do próprio poeta mato-grossense, sua história - do seu nascimento até seu último voo - e, obviamente, leitura de muitos trechos das suas obras fizeram parte do encontro, entre emoções ministradas em gorjeios do coração de Luís Carlos. Pássaros outros como Carlos Drummond de Andrade, Jorge La Rossa, José de Castro e Gustavo Flaubert, dentre outros, também deram o ar de suas asas durante a palestra.


          4º. Viajando em palavras poéticas em uma jornada de valor, mediadores de leitura da cidade de Parnamirim participaram da segunda edição da Jornada Potiguar de Leitura e Educação, organizada pelo jornalista Rilder Medeiros, através da "Casa das Palavras": um evento gratuito e de nobre qualidade com a participação de centenas de interessados no relevante tema no dia 6 de abril de 2018, logo em seu orvalho da manhã, vimos "a paz outonal de bois dormindo" na escrita da poetisa e bibliotecária Zila Mamede na voz de Rodrigo Bico; fomos ao engenho Verde Nasce e adentramos na Inglaterra com a escritora Ana Cláudia Trigueiro; (re)conhecemos o "Circo" de Manoel Cavalcante, fomos a África com Salizete Freire, enfim.  E, valorando cada passo, estava, ainda, em nossa companhia, Carito Cavalcanti, Drika Duarte, Márcio Benjamin, Clotilde Tavares, Carlos Fialho e tantos outros que ataviaram um caminho repleto de mini bibliotecas em solo potiguar.  


          5°. No dia 16 de abril de 2018, deu-se a abertura da Semana Municipal do Livro e da Leitura em Parnamirim/RN com o Sarau "Vinte Mil Léguas Literárias".  E entusiastas professores, merendeiros, gestores, secretários, crianças e adolescentes, todos mediadores participaram e deixaram um rastro de beleza líquida no Auditório Clênio de Medeiros.  Foram cartas anônimas e assinadas nas águas do Pitimbu, crônicas fluviais bordadas à mão em campos de pouso, memórias de estórias narradas debaixo de cajueiros, experiências leitoras salinizadas por camarões entre lendas de Cascudo, barreiras, tatuís, aviões e livros, muitos livros! 


          7°. Vinte Mil Léguas Literárias foi o tema da nossa Semana Municipal do Livro e da Leitura, usufruída por mais de quinhentas crianças e uma centena de mediadores de leitura de Parnamirim com o Circuito de Escritores, no dia 18 de abril de 2018, Dia do Livro Infantil.  Não se esgotou o bailado de nossas ondas: uns passos e você encontrava os escritores Geraldo Tavares e Ana Cláudia Trigueiro; e alguns metros a mais, você se deparava com os versos pululantes de Antônio Francisco.  Houve quem se deleitasse nas ilustrações de José Veríssimo e amou ouvir Weid Sousa.  Que prazer ter os livros lidos de Francisco Martins: mares tão navegados!  E, ainda, a alma imersa diante de Salizete Freire e Dorinha Timóteo. Arrebatados do chão batido na sessão do planetário com os versos de Olavo Bilac. Esponjas, seres fluorescentes, pedrinhas e algas, tudo tão fácil de se encantar diante da beleza que se revela.


          8º. É quase consensual dizer que 'adolescente não gosta de ler'.  E a melhor estratégia para dissipar esse possível problema é é dar a ele razões para se apaixonar pela literatura.  E nada melhor que estes motivos serem escritores!  Fechando a Semana Municipal do Livro e da Leitura de Parnamirim, mais de 500 (quinhentos) alunos do Fundamental ll tiveram um encontro com os cronistas Carlos Fialho e Alice Carvalho, que ora lançou seu livro "A Princesa empoderou", do selo editorial e coletivo de autores Jovens Escribas.  


         9º. Que contentamento foi a Oficina de Manipulação de Bonecos, ministrada pelo escritor Francisco Martins e ocorrida no último dia 9 de maio de 2018, no Cine Teatro de Parnamirim! Sabendo que faz-se necessário um intenso trabalho para que possamos experimentar tais ‘prazeres’, passeamos pela história dos bonecos no Brasil e no mundo em séculos de tradição, pela biografia do ícone potiguar - o mamulengueiro Chico Daniel  - e, também, por dicas de corpo, postura e voz com duas turmas de alunos, manhã e tarde. 


          10°. Um chá inglês em terras cearamirinenses e parnamirinenses e uma centena de cônjuges podem sair para festejar a nova relação afetiva nas bibliotecas em comunhão universal de bens.  Um dia inteiro em que lavamos roupas no engenho do Verde Nasce, dançamos valsas em salões ingleses, fabricamos sequilhos. É uma história de amor dentro de uma história maior. Ou melhor dizendo: várias histórias amorosas dentro de nossa história. Essa é a percepção que podemos ter depois de um dia na formação. Nossas 'famílias' agradecem a colaboração daquelas que oficializaram nossa união, as leitoras Mirianzinha e Ana Cláudia em dia tão memorável. No contrato matrimonial está escrito que prosseguiremos na relação de intimidade com Jane.


          11º. A história de uma das mais consagradas parcerias da literatura entre o protagonista, viciado na leitura de novelas e sonhador alucinado e Sancho, o escudeiro gordo, que nunca leu nada, foi tema da formação do mês de julho de 2018.  A professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Maria Tereza Barreto de Oliveira, apresentou sua obra "Dom Quixote da Taboa" fazendo um paralelo entre este e a obra prima da literatura universal que já sobreviveu quatro séculos de história.  Revisitamos a obra, capítulo a capítulo, na voz de Maria Tereza, até culminar no falecimento do protagonista.  Fomos de livro a verbo, "quixoteando" com a colaboração da Fundação de Cultura de Parnamirim, que, aqui, registramos nossa gratidão pela parceria.


          12°.  No dia 18 de julho de 2018, o Projeto Rio de Leitura conheceu a escritora Cláudia Lins e, através de sua voz, reencontramos Daniel Munduruku, Celso Sisto, Luciano Pontes, Ruth Rocha e tantos outros em múltiplas vivências que a também jornalista nos fez viver, discorrendo sobre a importância da leitura na infância e do desafio de formar leitores mais amadurecidos, passeando pelas narrativas adequadas ao nível de competência leitora de cada um e ponderando sobre o prazer da leitura e a leitura obrigatória em uma tarde agradabilíssima oportunizada pelo SESC.


          Conectados às demandas e exigências do ofício de fazer leitores, seguimos!

Você também pode gostar de

0 comentários

Postagens mais visitadas

Imagens Flickr

Formulário de contato