Projeto Rio de Leitura recebe homenagem na Câmara de Vereadores de Parnamirim

14:26:00Rio de Leitura

          "'Infância', um dos meus poemas prediletos do autor mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902 — 1987), termina assim: “E eu não sabia que a minha história era mais bonita que a de Robinson Crusoé.”

         Tal alegação aparentemente simplista e até (eu diria) meio que… pueril é, a meu ver, uma das constatações mais alucinantes da literatura brasileira: a vida que eu tenho é melhor do que a que eu imagino ser boa pra mim; ou, numa abordagem bíblica, a vida que tenho é o melhor que Deus pode me dar, de acordo com Seus termos.

          O eu lírico (provavelmente um menino) está entre mangueiras, enquanto observa a trajetória cotidiana de cada um de seus parentes. O pai sai à cavalo. A mãe põe-se a costurar. Já seu irmão… dorme lá no canto. Ou será, na verdade, uma lembrança? A vida está quieta demais. Cadê?

         Tudo está deveras pacato. O café feito. O pai ainda distante, ocupado. E os olhos e mente do menino cativos à narrativa de Daniel Defoe.

         Não seria aquela história melhor que a sua própria história?

         Não seria aquela ilha, ou aquele enredo, melhores que a sua mãe a costurar ou seu irmão a roncar? Ilhas parecem mais legais e interessantes que algumas casas no campo.

         Mas não!

         Como a fantástica história do náufrago de Defoe e suas aventuras com o indígena mais gente boa da Ficção seriam de algum modo mais interessantes que a vida pacata na qual o menino se encontra?

         Temos a fortuita tendência de optar pela amplitude da Ficção, do que pela veracidade da vida que Deus nos dá.

         A nossa vida. A nossa história. A nossa família. Quem nós somos.  

         Nossa realidade é infinitamente superior a toda Ficção que possamos consumir para tentar escapar do cotidiano. A chave é a Gratidão.

         Nesse sentido, olho pra mim mesmo (e ao meu redor), agradeço aos Céus e afirmo:

         Nosso dia a dia, nossos mediadores de leitura. O nosso rio. O rio com suas vitórias e dificuldades. O dia a dia das bibliotecas e cada um dos seus recantos, e em cada canto, um novo e sedutor canto… um feliz encanto (Me perdoem a rima que parece pobre: ela não é!).  A nossa cidade Parnamirim.  

Tudo
quem somos
o que fazemos
o que revolucionamos
o que criamos, 
o que ousamos, 
o que sonhamos, 
o que projetamos.

         Tudo é mais belo que a história de Robinson Crusoé.

         Paremos de analisar a realidade por nossos termos e vivamos com Gratidão o enredo que Ele teceu pra nós!

          A vida que Deus te dá é melhor que a vida que você dá a si mesmo. Não há santidade em querer viver na Ficção. Basta ter certeza e viver o script do Eterno pra você." (Texto adaptado do menino leitor Daniel Henriques que, generosamente, permitiu, as pequenas adaptações).

         E tao belo quando tudo isso é a disponibilidade do livro de Drummond está a apenas um esticar de braços de cada menino e menina da cidade de Parnamirim. É bonito ver que o Projeto Rio de Leitura faz o tão misterioso ofício do poeta de José de Castro e de inúmeros outros que nos visitaram durante todos esses anos parecer o mais banal dos atos. Poucos tem/tiveram tal privilégio.  Mas não o é. É a entrega da palavra ao outro para que ela germine.  É a possibilidade de um possuir um bilhete de trem, um calendário encantado, um arco da aliança em um céu magnífico-azul, cheirinhos de cajus, um barquinho de navegação, uma história bonita como a de Robinson Crusoé: itens imprescindíveis à criança/adolescente/jovem que não tem acesso à verdade e à beleza.  E ela assim o fará.  No tempo certo, colheremos.  O livro, aqui está.  O mediador, logo ali. A biblioteca, sempre aberta.  Dou-me por feliz, então.

P.S.: Por mais que se diga que poesia não faz cerimônia, ao final, convidamos os navegantes mediadores de leitura, para, em uníssono, repetirmos a máxima de Adélia Prado, que nos acompanha desde o ano de 2010.  E, assim, nos damos por felizes, sabendo que estamos a cumprir nossa missão!


“Louvai ao Senhor, livro meu irmão, com vossas letras e palavras, 
com vosso verso e sentido, 
com vossa capa e forma, 
com as mãos de todos que vos fizeram existir. 
Louvai o Senhor".















Você também pode gostar de

1 comentários

  1. Francilenenunes23@hotmail.com1 de maio de 2019 12:28

    Foi uma honra participar desta linda solenidade representado meus colegas professores mediadores. Grata a Vereadora Vandilma Oliveira pela iniciativa e Angélica Vitalino, um anjo literário em minha vida.O projeto Rio de Leitura significa muito em minha trajetória profissional, Fui muito feliz, sempre grata, sempre Rio. Amo até o infinito ❤

    ResponderExcluir

Postagens mais visitadas

Imagens Flickr

Formulário de contato